POLÍTICA DE COOKIES

A Land Rover gostaria de utilizar cookies próprias e de terceiros para analisar os nossos serviços e apresentar-lhe conteúdos publicitários personalizados criados a partir de um perfil derivado das suas preferências de navegação. Se continua a sua navegação, consideramos que aceita a sua utilização. Poderá configurar ou bloquear a utilização de cookies ou obter mais informação na nossa Política de Cookies.

ATUALIZAÇÃO DO NAVEGADOR

Detetámos que não está a utilizar a versão mais recente do seu navegador. Ao atualizar para a versão mais recente do Internet Explorer, poderá ver e utilizar este site da forma que pretendemos e toda a sua navegação na Internet será mais segura, uma vez que esta atualização inclui os padrões de segurança mais recentes.

SEGUIMOS O QUE PENSÁVAMOS SER UM TRILHO

DIRECTOR DA COMPETIÇÃO G4 2006 E BATEDOR, RIKARD BECKMAN FALA SOBRE AS CAPACIDADES DO AUTOMÓVEL E DA COMPLEXIDADE DO TERRENO NA BOLÍVIA

Passámos um ano a preparar-nos para o G4 2006 Challenger, e durante esse tempo tornamo-nos habitantes locais. Tínhamos a nossa base em Santa Cruz e conhecíamos os melhores bares, as melhores rotas e tínhamos os melhores contactos

Discovery na Bolívia

Éramos dois suecos, um sul-africano, dois ingleses e um espanhol. Seis rapazes à procura dos melhores locais que a Bolívia tinha para oferecer. Tinhamos de os encontrar, testar e avaliar. Foi uma enorme tarefa. Encontrámos lugares fantásticos onde nunca ninguém tinha chegado nem mesmo os guias locais.

Um dia, estávamos a seguir o que pensávamos ser um trilho. Mas assim que o caminho começou a subir uma montanha, deixou de fazer curvas, apenas seguia a direito. Era óbvio que era por aqui que tinham passado os cabos. Era mesmo muito, muito íngreme. Mas isso, não representou nenhum problema para o Discovery, mas foi assustador ver como era íngreme.''

A Bolívia tem estradas em muito mau estado. São todas de gravilha, se encontrasse uma estrada dessas na Suécia ou em Inglaterra, iria conduzir a cinco quilómetros por hora, porque saberia que não teria mais de 100 metros. Mas, na Bolívia, as estradas são todas assim. O nosso mecânico disse que o que fizemos num dia na Bolívia significou uma absorção de impacto superior à de um veículo numa vida inteira no Reino Unido.